Presidente do Comitê quer votar a reforma da previdência social até o final de junho

0


O presidente da comissão ad hoc que analisa o comitê ad hoc Marcelo Ramos (C), reuniu os líderes dos partidos no comitê ad hoc sobre reforma previdenciária nesta quarta-feira (foto: Pablo Valadares / Câmara dos Deputados) (PEC 6 19 ), o deputado Marcelo Ramos (LP-AM), anunciou que faria três sessões durante a semana das férias de junho, na tentativa de votar a proposta em junho.

Nesta Na quinta-feira (13) às 9h30, será apresentado o parecer de Samuel Moreira (PSDB-SP) sobre a reforma. Ele vai ler, mas a discussão não começará até a próxima terça-feira (18).

De acordo com Marcelo Ramos, a oposição e o governo concordaram que os governadores não deveriam exigir o término antecipado da discussão no comitê, deixando todos para falar.

Isso continua após a publicidade.

Membros do parlamento podem falar por 15 minutos, e não membros do parlamento por 10 anos. Assim, a previsão do período de tempo sobre essa discussão será conhecida apenas na terça-feira, quando as inscrições para o debate serão encerradas

Você quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

<! –

Quer receber uma newsletter com notícias e análises básicas? Apenas deixe seu email abaixo!

->

Receba notícias e análises importantes de segunda a sexta-feira.

Governadores

O deputado Alessandro Molon (PSB-RJ) informou que, para a oposição, os governadores pedem a retirada dos quatro elementos da reforma: benefícios sociais (BPC), desinstitucionalização de trabalhadores e capitalização. "A abolição destes quatro pontos é necessária, mas não suficiente para aprovar a questão", observou ele.

Para Molon, a retirada da capitalização da reforma é importante porque esse modelo terminará com a previdência social brasileira. No entanto, ele alertou que a proposta ainda exacerbava a desigualdade no país.

Procedimentos

Após discutir os pontos de vista sobre reforma previdenciária na comissão, um novo acordo sobre procedimentos entre o governo e a oposição deve preceder a etapa de votação, segundo o representante de Marcelo Ramos.

O líder do governo, deputado major Vitor Hugo (PSL-GO), apresentou o que pretende. “Não há acordo de que há menos obstáculos na votação ou está ausente;

Após a votação do texto geral em uma comissão especial, podem ser observados pontos especiais para votação separada sobre tópicos específicos;

. Destaques da festa e destaques selecionados do participante

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.